EDUCAÇÃO ANTIRRACISTA E RESISTÊNCIA:

o cabelo como posicionamento político

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v22i0.6293

Palavras-chave:

Racismo. Educação antirracista. Política. Mulheres

Resumo

Esse artigo tem como objetivo principal refletir sobre o processo de transição capilar, que tem sido um fenômeno nos últimos tempos, sobretudo entre as mulheres. Sendo uma busca pela autoafirmação da identidade negra e a valorização das raízes afrodescendentes, o cabelo afro para além da questão estética, também é a expressão de um ato político contra o racismo. Tendo como base a mudança do cabelo, buscamos estabelecer relações entre esse fenômeno e a luta por uma educação de resistência antirracista, tendo em vista que um dos principais alvos das práticas racistas é o cabelo crespo. Reconhecendo o papel dos movimentos antirracistas da atualidade, o texto tem como base teórica intelectuais, principalmente mulheres brasileiras que têm feito a discussão sobre cabelo afro e a luta antirracista nos mais diversos espaços. A partir desta escrita é possível perceber uma discussão sobre a questão estética negra e a educação.

Biografia do Autor

Amanda Motta Castro, FURG

Doutora em Educação pelo programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Vale do Rio dos Sinos/UNISINOS - Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande /FURG e docente do Departamento de Educação da mesma instituição. Grupo de estudos e pesquisa interdisciplinar Lélia Gonzalez. E-mail: motta.amanda@terra.com.br

Elina Rodrigues de Oliveira, FURG

Mestranda em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande/ FURG. Grupo de estudos e pesquisa interdisciplinar Lélia Gonzalez. E-mail: elinarodriguesdeoliveira@hotmail.com

Gabriele Costa Pereira, FURG

Mestranda em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande/ FURG. Grupo de estudos e pesquisa interdisciplinar Lélia Gonzalez. E-mail: gabrielecp86@gmail.com

Referências

REFERÊNCIAS

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. O perigo da história única. Trad. Julia Romeu. São Paulo: Companhia de Letras, 2019.

ARAÚJO, Jurandir de Almeida. A efetivação da Lei 10.639/03 na percepção dos militantes/ professores negros baianos. Revista Eletrônica de Educação, São Carlos, v. 9, n. 3, p. 216-232, 2015.

CARDOSO, P. J. F. As ações afirmativas e os desafios da luta pela igualdade na conjuntura atual. Revista Pedagógica, Chapecó, v. 19, n. 40, p. 33-42, jan./abr. 2017.

CAVALLEIRO, Eliane. Do silêncio do lar ao silêncio escolar: racismo, discriminação e preconceito na educação infantil. São Paulo: Contexto, 2000.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Trad. Renato da Silveira. Salvador: EDUFBA, 2008.

GOMES, Larisse. “Posso tocar no seu cabelo?” Entre o “liso” e o “crespo”: Transição capilar, uma (re) construção identitária? Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2017.

GOMES, Nilma Lino. O Movimento Negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis: Vozes, 2017.

GOMES, Nilma Lino. Sem perder a raiz: corpo e cabelo como símbolos da identidade negra. 3. ed. rev. amp. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2019.

GOMES, Nilma Lino. Educação, identidade negra, e formação de professores/as: um olhar sobre o corpo negro e o cabelo crespo. Educação e Pesquisa, v.29, n.1, p. 167-182, jan./jun. 2003

GONZALEZ, Lélia. Por um feminismo afro-latino-americano: ensaios, intervenções e diálogos. Organização Flavia Rios, Márcia Lima. Rio de Janeiro: Zahar, 2020.

GONZALEZ, Lélia. Primavera para as rosas negras: Lélia Gonzalez em primeira pessoa. Diáspora Africana. São Paulo: Editora Filhos da África, 2018.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação – Episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

MIRANDA, Mônica. Reflexões sobre a aplicação da Lei 10.639/03 em escolas da zona oeste do Rio de Janeiro e Baixada Fluminense. RELACult –Revista Latino-Americana de Estudos em Cultura e Sociedade, v. 05, ed. especial - II SEMLACult, mai. 2019.

MUNANGA, Kabengele. Negritude: usos e sentidos. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2019.

MUNANGA, Kabengele. Superando o Racismo na escola. 2. ed. revisada. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005.

NASCIMENTO, Abdias. O genocídio do negro brasileiro. Processo de um racismo mascarado. 4. ed. São Paulo: Editora Perspectiva, 2016.

RIBEIRO, Djamila. Pequeno manual antirracista. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

Publicado

2021-09-02

Edição

Seção

Artigos Demanda Contínua