SOCIAL NETWORKS:

relações sociais no processo de constituição identitária de sujeitos surdos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v22i0.6322

Palavras-chave:

Social Networks. Sujeitos Surdos. Identidade. Estigma.

Resumo

As relações estabelecidas no meio social produzem redes invisíveis que apresentam estrutura maleável e dinâmica. As redes sociais de interação, ou social networks, dentro de um contexto fechado de informantes, revelam influências quando estudadas em vista a um objetivo. Desenvolvida no município de Cametá-PA, a pesquisa investiga o comportamento das redes sociais de interação dentro do processo de constituição identitária de três sujeitos surdos. A fim de questionar que influências as redes sociais de interação têm neste processo, o estudo apresenta como objetivo específico: a) descrever a configuração das conexões da rede social de interação dos sujeitos surdos e b) compreender a influência das relações sociais no processo de constituição identitária dos sujeitos surdos. Tecida na interface da Educação Especial, na perspectiva Inclusiva e da Educação do Campo, o trabalho apoia-se em linhas teóricas da sociologia como Bauman (2005), Hall (2015), Goffman (2017) e articula-se no campo educacional. A partir do estudo de caso, a pesquisa configura-se com natureza quanti-qualitativa, cujos objetivos apresentam características descritivas. Os métodos utilizados para a coleta de dados foram os questionários semiestruturados e a análise das redes sociais. Os resultados apontam redes com características densas e frouxas, laços multiplex e uniplex, bem como atitudes que influenciam a constituição identitária de surdos e geram estigmas sociais. As conclusões apontam para novas pesquisas no campo da teoria das redes sociais de interação para verificar cruzamentos de redes dentro de um cenário amazônico tradicional marcado por culturas, ritmos de desenvolvimento e relação de poder.

Biografia do Autor

Waldma Maíra Menezes de Oliveira, UFPA

Doutoranda em Educação na Universidade do Estado do Pará; Professora de Libras da Universidade Federal do Pará (UFPA), Campus Cametá. Coordenadora do Grupo de Estudos Surdos na Amazônia tocantina (GESAT). E-mail: waldmamaira@hotmail.com

Gabriele Maria Muniz da Silva, UFPA

Especialista em Educação Inclusiva no Campo pela Universidade Federal do Pará. E-mail: mmunizgabriele@gmail.com

Ivanilde Apoluceno de Oliveira, UEPA

Doutora em Educação. Coordenadora e professora no Programa de Pós-graduação em educação da Universidade do Estado do Pará. Coordenadora do Núcleo de Educação Popular Paulo Freire – NEP. Email: nildeapoluceno@uol.com.br

Referências

BAUMAN, Zygmund. Identidade: entrevista a Benedetto Vecchi. Tradução: Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Do campo para a cidade: estudo sociolinguístico de migração e redes sociais. São Paulo: Parábola, 2011.

BRASIL. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais e dá outras providencias. Brasília: MEC, 2002.

BRASIL. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Brasília: MEC, 2005.

ELIAS, Norbert; SCOTSON, John L. Os estabelecidos e os outsiders: sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Tradução: Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Zahar, 2000.

GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Tradução: Márcia Bandeira de Mello Leite Nunes. 4. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2017.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. 12. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2015.

LAVILLE, Christian; DIONNE, Jean. A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Belo Horizonte: UFMG, 1999.

LUCHESE, Anderson; PIECZKOWSKI, Tania Mara Zancanaro. A comunicação como possibilidade de inclusão de estudantes surdos. Revista Pedagógica, Chapecó, v. 19, n. 41, p. 226-241, maio/ago 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.22196/rp.v19i41.3716. Acesso em: 12 fev. 2018.

MILROY, Lesley; MILROY, James. Linguistic change, social network and speaker innovation. Journal of Linguistics, Cambridge, v. 21, p. 339-384, 1985. Disponível em: DOI: https://doi.org/10.1017/S0022226700010306. Acesso em: 123 fev. 2018.

MILROY, Lesley. Language and social networks. 2. ed. Oxford: Blackweel, 1987.

PERLIN, Gladis; STROBEL, Karin Lílian. Fundamentos da educação de surdos. Florianópolis: UFSC, 2006.

SILVA, Carlos Alberto da; FIALHO, Joaquim; SARAGOÇA, José. Análise de redes sociais e sociologia da acção: pressupostos teórico-metodológicos. Revista Angolana de Sociologia [Online], p. 91-106, dez. 2013. Disponível em: http://journals.openedition.org/ras/361. Acesso em: 13 nov. 2018.

SKLIAR, Carlos. A surdez: um olhar sobre as diferenças. 7. ed. Porto Alegre: Mediação, 2015.

Publicado

2021-09-05

Edição

Seção

Dossiê: SABERES, MOVIMENTOS E EDUCAÇÃO: diálogos (in)comuns