FORMAÇÃO DE UMA POLÍTICA LINGUÍSTICA:

a manutenção da Língua Alemã no currículo escolar em Blumenau-SC (2000 a 2004)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v22i0.6360

Palavras-chave:

Política linguística educacional. Escola. Língua alemã.

Resumo

O objetivo deste estudo é analisar o modelo de política linguística educacional proposto nos primórdios do século XXI, de 2000 a 2004 pelo município de Blumenau/SC, que pretendeu a manutenção da língua alemã no currículo escolar, introduzida na região a partir das políticas imigratórias do século XIX e ainda praticada por comunidades de fala. Esse trabalho se enquadra nos debates acerca do campo de pesquisas da política linguística, tendo como referenciais Spolsky, (2004), (2009), (2016); Shohamy, (2006). No projeto proposto pela secretaria de educação, o domínio escolar, segundo Mailer (2003), pautou-se pelos seguintes eixos:  Normalização da Oferta de Línguas no Currículo Escolar e Programa de Ensino de Alemão; Projeto de Formação de Professores de Alemão; Escolas Bilíngues; Conselho do ensino da Língua Alemã. Em relação aos resultados, o presente trabalho constatou que as línguas minoritárias continuam estigmatizadas e invisibilizadas nas políticas educacionais, no caso a língua alemã. No projeto analisado a língua alemã deveria estar presente no currículo escolar sendo reconhecida como língua de herança de parte da população local.

Biografia do Autor

Cíntia Régia Rodrigues, 41 984111767

Doutora em História pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos. Docente do Programa de Pós-graduação em Educação – PPGE - Universidade de Blumenau – FURB. Grupo de Pesquisa: Grupo de Pesquisas sobre Formação de Professores e Práticas Educativas- GPFORPE. E-mail: crrodrigues@furb.br

Valéria Contrucci de Oliveira Mailer

Mestre em Linguística pela Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC. Docente do curso de Letras da Universidade de Blumenau – FURB. Grupo de Pesquisa: Políticas de Educação na Contemporaneidade. E-mail: vmailer@furb.br

Referências

ALTENHOFEN, Cléo V. Bases para uma política linguística das línguas minoritárias no Brasil. In: NICOLAIDES, Christine et al. (orgs.). Política e políticas linguísticas. Campinas, SP: Pontes Editores, 2013. p. 93-116.

BAGNO, Marcos. A norma oculta: língua & poder na sociedade brasileira. 2. ed. São Paulo: Parábola, 2003.

BANIWA, Gersem José dos Santos. O Índio Brasileiro: O que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de Hoje. Brasília: UFRJ, v.1, 2006.

BEIN, Roberto; VARELA, Lia. Bases para la determinación de una política lingüística de la Ciudad de Buenos Aires. Trabajo elaborado para la Dirección de Currícula de la Secretaria de Educación Del Gobierno de la Ciudad de Buenos Aires, 1998.

BLUMENAU. Lei Complementar 487 de 2004. Conselho Municipal do Ensino da Língua Alemã de Blumenau. Disponível em: https://leismunicipais.com.br/a1/sc/b/blumenau/lei-complementar/2004/48/487/lei-complementar-n-487-2004-cria-o-conselho-municipal-do-ensino-da-lingua-alema-de-blumenau?r=p. Acesso em: 14 maio 2021.

BRASIL. Lei nº 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1° e 2º graus, e dá outras providências. Disponível em https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1970-1979/lei-5692-11-agosto-1971-357752-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em: 14 maio 2021.

BRASIL. Parecer CNE/CEGRAU Nº 721/1987. Disponível em http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/cd007568.pdf. Acesso em: 13 maio 2021.

BRASIL. (Constituição, 1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Pluralidade Cultural e Orientação Sexual. Vol. 10 Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: BRASIL, 1997. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro01.pdf. Acesso em: 12 maio 2021.

CALVET, Jean Louis. As políticas linguísticas. Trad. Isabel de Oliveira Duarte; Jonas Tenfen; Marcos Bagno. São Paulo: Parábola Editorial: IPOL, 2007.

FISHMAN, Joshua. Domains and the relationship between micro- and macrosociolinguistics. In John J. Gumperz and Dell Hymes (eds.), Directions in sociolinguistics (pp. 435–453), New York: Holt Rinehart and Winston, 1972.

FRITZEN, Maristela Pereira. “Ich kann mein Name mit letra junta und letra solta schreiben”: bilinguismo e letramento em uma escola rural localizada em zona de imigração alemã no Sul do Brasil. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) Universidade Estadual de Campinas, Campinas.2008. 305p. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/269782/1/Fritzen_MaristelaPereira_D.pdf. Acesso em: 09 maio de 2021.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE- Censo Brasileiro de 2010. Rio de janeiro: IBGE, 2012.

KLOSS, HEINZ. Research Possibilities on Group Bilingualism: A Report. Quebec: CIRB, 1969.

LUNA, José Marcelo Freitas de. Português na escola alemã de Blumenau: da formação à extinção de uma prática. Itajaí: Ed. da Univali; Blumenau: Edifurb, 2000.

MAILER, Valéria Contrucci de Oliveira. O Alemão em Blumenau: uma questão de identidade e cidadania. Dissertação de Mestrado. Florianópolis: UFSC, 2003.

OLIVEIRA, Gilvan Müller de (Org.). Declaração Universal dos Direitos Linguísticos. Campinas/Florianópolis: Mercado de Letras/ALB/IPOL, p.47-80, 2003.

PROBST, Melissa; FISTAROL, Caique Fernando da Silva; POTTMEIER, Sandra. Da nacionalização à escola bilíngue: reflexões sobre a educação linguística em Blumenau/SC. Rev. EntreLínguas, Araraquara, v. 5, n. 1, p. 142-161, jan./jun. 2019. E-ISSN: 2447-3529. DOI: 10.29051/el.v5i1.12791.

RODRIGUES, Aryon. Línguas indígenas: 500 anos de descobertas e perdas. Delta, v. 9, n. 1, p. 83-103, 1993. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/delta/article/view/45596. Acesso em: 12 maio 2021.

SEYFERTH, G. Socialização e Etnicidade: a questão escolar teuto-brasileira (1850-1937). Mana, Rio de Janeiro, v. 23, n.3, 2017, 579-607. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/mana/v23n3/1678-4944-mana-23-03-579.pdf. Acesso em: 12 maio 2021.

SHOHAMY, Elana. Language policy: hidden agendas and new approaches. London: Routledge, 2006.

SPOLSKY, Bernard. Language Policy. Cambridge: Cambridge University Press, 2004.

SPOLSKY, Bernard. Language Management. Cambridge: Cambridge University Press, 2009.

SPOLSKY, Bernard. Para uma Teoria de Políticas Linguísticas. ReVEL, volume 14, n. 26, 2016. Tradução de Paloma Petry. Revisão técnica de Pedro M. Garcez. [www.revel.inf.br]. Disponível em: http://revel.inf.br/files/f69d74cdefbd9c6efb801010f2ac8b13.pdf. Acesso em: 12 maio 2021.

Publicado

2021-09-05

Edição

Seção

Dossiê Imigração e Colonização alemãs no Brasil