RASTROS DE MEMÓRIAS SOBRE O ENSINO DE MATEMÁTICA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v22i0.6380

Palavras-chave:

Memória. História da Educação. Ensino de Matemática.

Resumo

O artigo encontra-se inserido nas pesquisas relacionadas à história da educação matemática e objetiva tecer uma história acerca do ensino de Matemática a partir dos rastros de memória de um ex-aluno de uma escola teuto-brasileira do município de Antônio Carlos (SC), num determinado momento histórico. Utiliza-se como ferramentas teórico-metodológicas os conceitos de Michel Foucault. Como material de análise desta problemática, consideram-se fotografias, memórias, desenhos e documentos. A dimensão analítica se dá por meio de um exercício existente entre memória e história a partir de depoimentos, para perceber as condições pelas quais os sujeitos estudantes praticaram um certo tipo de matemática naquelas escolas. Como dimensão histórica, verifica-se a presença do poder disciplinar e vigilância por parte do Estado, a estrita observância do Programa para as Escolas Isoladas de Santa Catarina elaborados para aquele tipo de estabelecimento de ensino, por onde os alunos recebiam atividades matemáticas, notadamente, relacionadas à sua vida cotidiana.

Biografia do Autor

Francine Fragoso de Miranda Silva, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica PPGECT/UFSC. Membro do Grupo de Estudos Contemporâneos e Educação Matemática (GECEM).

Cláudia Regina Flores, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutora em Educação – PPGE/UFSC. Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica – PPGECT/UFSC. Membro do Grupo de Estudos Contemporâneos e Educação Matemática (GECEM).

Rosilene Beatriz Machado, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutora em Educação Científica e Tecnológica – PPGECT/UFSC. Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica – PPGECT/UFSC. Membro do Grupo de Estudos Contemporâneos e Educação Matemática (GECEM).

Referências

ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz. História: arte de inventar o passado. Ensaios da teoria da história. Bauru: Edusc, 2007.

BENCOSTTA, Marcus Levy Albino. A escritura da arquitetura escolar na historiografia da educação brasileira (1999-2018). Revista Brasileira de História da Educação, v. 19, p. 1-26, 2019.

BENCOSTTA, Marcus Levy Albino. Memória e cultura escolar: a imagem fotográfica no estudo dos Grupos Escolares de Curitiba (1903-1971). In: CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, 2., 2002, Natal. Anais... Natal: Offset Gráfica e Editora Ltda, 2002. p.1-10.

BOMENY, Helena. Três decretos e um ministério: a propósito da educação no Estado Novo. In: PANDOLFI, D. (Org.). Repensando o Estado Novo. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 1999, p. 137-166.

BROERING, Adriana de Souza; BRANT, Patrícia Regina Silveira de Sá; ANGELO, Adilson. Educação Infantil Pública Municipal em Florianópolis: um estudo da arquitetura escolar a partir de documentos iconográficos. Linhas, Florianópolis, v. 14, n. 26, p. 42-60, jan./jun. 2013.

DALCIN, Andréia. Fotografia, história e educação matemática: apontamentos para pesquisas sobre a cultura escolar. Histemat, v. 4, n. 1, p. 20-38, 2018.

FERBER, Luiza Pinheiro. Os jeitos de ser das escolas isoladas de Santa Catarina: entre relatórios e programas de ensino (1911-1916). In: SEMINÁRIO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO DA REGIÃO SUL E REUNIÃO CIENTÍFICA REGIONAL DA ANPED (X ANPEDSUL), 10., 2014, Florianópolis (SC). Anais ... Florianópolis, 2014. Disponível em: http://xanpedsul.faed.udesc.br/publicacao/trabalhos_completos.php.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão; tradução de Raquel Ramalhete. 24.ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2001.

FOUCAULT, Michel. A Arqueologia do Saber. 6.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Organização e tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2018.

GARNICA, Antonio Vicente Marafioti. Analisando imagens: um ensaio sobre a criação de fontes narrativas para compreender os Grupos Escolares. Bolema, Rio Claro (SP), v. 23, n. 35A, p. 75-100, abr. 2010.

JUNKES, José. José Junkes: depoimento [maio 2019]. Entrevistadora: F. F. de Miranda Silva. Antônio Carlos (SC), 2019a. Entrevista concedida para a Dissertação de Mestrado da entrevistadora.

JUNKES, José. José Junkes: depoimento [jul. 2019]. Entrevistadora: F. F. de Miranda Silva. Antônio Carlos (SC), 2019b. Entrevista concedida para a Dissertação de Mestrado da entrevistadora.

OTTO, Claricia; RODRIGUES, Fabiano Batista. Prática social educativa em Zilda Arns: pela memória, contra o esquecimento? Revista Pedagógica, Chapecó (SC), v. 22, p. 1-18, 2020. DOI: https://doi.org/10.22196/rp.v22i0.4682.

PORTELLI, Alessandro. O que faz a história oral diferente? Projeto história, São Paulo, n. 14, p. 25-39, 1997.

RAMOS, Graciliano. Infância. 17. ed. Rio de Janeiro: Record, 1981.

REITZ, Raulino. Alto Biguaçu: narrativa cultural tetrarracial. Florianópolis: Ed. Lunardelli/Ed. da UFESC, 1988.

SANTA CATARINA. Decreto-Lei nº 88, de 31 de março de 1938, que estabelece normas relativas ao ensino primário, em escolas particulares no estado. In: Relatório apresentado em outubro de 1938 ao exmo. sr. Presidente da República, pelo Dr. Nereu Ramos, Interventor Federal no Estado de Santa Catarina. Florianópolis: Imprensa Oficial, 1938.

SANTA CATARINA. Decreto nº 714, de 3 de março de 1939, que expede regulamento para os Grupos Escolares. Diário Oficial do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, SC, 4 de mar. 1939. Ano VI, n. 1436, p. 1. Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/117122>.

SANTA CATARINA. Programma de Ensino para as Escolas Isoladas. Approvado pelo Decreto nº 2.218 de 24 de outubro de 1928. Florianópolis: Livraria Moderna, 1928. Disponível em: < https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/99204>.

SANTOS, Ademir Valdir dos. As escolas alemãs em Santa Catarina e sua transformação para teuto-brasileiras: uma análise histórica. Acta Scientiarum Education, Maringá, v. 36, n. 2, p. 233-242, jul./dez. 2014.

SANTOS, Piersandra Simão dos; FLORES, Cláudia Regina; ARRUDA, Joseane Pinto. Fotografias: o visível e o invisível de uma história do ensino de matemática. Rematec, Natal (RN), ano 8, n. 13, p. 7-23, maio/ago. 2013.

SEYFERTH, Giralda. A conflituosa história da formação da etnicidade teuto-brasileira. In: FIORI, N. A. et al (Org.). Etnia e educação: a escola “alemã” do Brasil e estudos congêneres. Florianópolis: Ed. da UFSC; Tubarão: Editora UNISUL, 2003. p. 22-61.

SILVA, Francine Fragoso de Miranda. Práticas matemáticas nas escolas teuto-brasileiras de Antônio Carlos (SC): vestígios em cadernos escolares. 2020. 114 f. Dissertação (Mestrado em Educação Científica e Tecnológica) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

VEIGA-NETO, Alfredo. Foucault & a Educação. 3.ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017.

Publicado

2021-10-05

Edição

Seção

Dossiê Imigração e Colonização alemãs no Brasil