IMIGRAÇÃO ALEMÃ E O PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO EM IJUÍ-RS: da Escola Alemã ao Colégio Sinodal de Ijuí (1899- 1938)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v22i0.6404

Palavras-chave:

Educação, História da Educação, História da Educação brasileira, Instituições educativas brasileiras

Resumo

Em 1890, foi fundada a colônia de Ijuí, modelo de colônia exemplar, planejada a partir da imigração espontânea e da integração de diversas etnias. O estudo objetiva investigar a aplicação desse projeto de colônia, através do âmbito educacional. Assim, como as mudanças no cenário educacional após a emancipação da colônia em 1912. O enfoque direciona-se para os imigrantes alemães de confissão luterana estabelecidos na região. Analisamos o caso da primeira escola comunitária de origem germânica e confissão evangélica, fundada na colônia, conhecida atualmente como Colégio Evangélico Augusto Pestana. O estudo se insere no campo da História da Educação, com ênfase à História das Instituições Escolares, e utiliza aportes teórico-metodológicos da História Cultural. A pesquisa é realizada no Museu Escolar da instituição, e utiliza como fonte os documentos de caráter memorialístico “Relatos do Sr. Albino Brendler” (1995); o livreto “Breve Histórico do Ginásio Augusto Pestana” (1952); e os boletins e livros didáticos referentes ao período analisado. O recorte temporal compreende o período de 1899 a 1938, abrangendo o cenário educacional desses imigrantes desde a fundação da escola até o impacto inicial da implantação das políticas nacionalizadoras do governo estadonovista. A investigação permitiu perceber que inicialmente não foi estabelecido um sistema educacional que assimilasse os imigrantes no contexto nacional. Após 1912, o uso do vernáculo e o ensino da História e Geografia do Brasil foram incentivados sob subvenção estatal, porém, esses incentivos não foram suficientes para evitar uma grande crise em decorrência da política de nacionalização do ensino.

Biografia do Autor

Milene Moraes de Figueiredo, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Doutoranda em História pelo Programa de Pós-Graduação em História da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Bolsista Integral da Capes. Grupo interdisciplinar de estudos do desenvolvimento científico e tecnológico. E-mail: milene.mfigueiredo@gmail.com

Eduardo Cristiano Hass da Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Doutor em Educação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Professor da Faculdade de Engenharia, Letras e Ciências Sociais do Seridó (FELCS), da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Grupo de Pesquisa Turismo, Sociedade & Território. E-mail: eduardohass.he@gmail.com

Referências

ARAGÃO, Milena; FREITAS, Gonçalves Bueno de. Discursos morais no periódico “Folha da Escola” (1940): representações infantis. Revista Pedagógica, v.13, n. 26, p. 161-183, jan.-jun. 2011.

BASTOS, Maria Helena Camara. Os jesuítas e a educação no Rio Grande do Sul: percurso histórico na formação das almas. In: SOUZA, Carlos Ângelo de Menezes; CAVALCANTE, Maria Juraci Maia (Org.). Os jesuítas no Brasil: entre a colônia e a República. Brasília: Líber Livro, 2016. p. 137-160.

BORCINI, Leonardo. O museu escolar do CEAP: Reflexões sobre a prática museal e a relação entre memória e história. 2012. 110f. Dissertação – (Mestrado em Ciências Sociais). Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2012.

BRANDT, Mônica. CEAP- Colégio Evangélico Augusto Pestana trajetórias e lições de superação de uma escola: de sua criação (1899) até o fim do Estado Novo (1945). Ijuí: Ed. Unijuí, 2009.

BRENDLER, Albino. Relatos do Sr. Albino Brendler [194 - 1950]. Tradução de Erica Ziegler. MECEAP: Ijuí, 1995.

DREHER, Martin N. Igreja e germanidade: estudo crítico da história da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil. São Leopoldo: EST/Sinodal, 2003.

ESCOLANO BENITO, Augustín. Memoria de la Educación y Cultura de La Escuela. In: ESCOLANO BENITO, Augustín; HERNÁNDEZ DÍAS, José Maria (Org.). La memoria y el deseo: Cultura de la escuela y educación deseada. Edita Tirant Lo Blanch, 2002.

ESCOLANO BENITO, Augustín. A escola como cultura: experiência, memória e arqueologia. Campinas, SP: Editora Alínea, 2017.

FALEIRO, Silvana Rossetti. Colégio Evangélico Alberto Torres: memórias e história. Lajeado, RS: UNIVATES, 2005.

GERTZ, René. O perigo alemão. Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 1991.

ISAIA, Arthur Cesar. O cajado da ordem catolicismo e projeto político no Rio Grande do Sul: D. João Becker e o autoritarismo. 1991. 398f. Tese (Doutorado em História). USP, São Paulo, 1992.

JULIA, Dominique. A cultura escolar como objeto histórico. Revista Brasileira de História da Educação, n. 1, p. 9-44, jan. /jun., 2001.

KOCH, Walter. A escola evangélica teuto-brasileira. In: FIORI, Neide Almeida ; et al. (Org.). Etnia e educação: a escola “alemã” do Brasil e estudos congêneres. Florianópolis: Ed. Da UFSC, Tubarão: Editorial Unisul, 2003. p. 193- 207.

KREUTZ, Lucio. O professor paroquial: magistério e imigração alemã. Porto Alegre: Editora UFRGS, 1991.

KREUTZ, Lucio. Escolas comunitárias de imigrantes no Brasil: instâncias de coordenação e estruturas de apoio. In: Revista Brasileira de Educação. n. 15, set./out/nov., 2000, p. 159-176.

LUCA, Tania Regina de. Imigração e Teorias Antropológicas no Brasil (1910-1920). in: DREHER, Martin N.; RAMBO, Arthur Blásio Rambo; TRAMONTINI Maros Justos. Imigração & imprensa. Porto Alegre EST/ São Leopoldo: Instituto Histórico de São Leopoldo, 2004. p. 35- 47.

MAGALHÃES, Justino Pereira de. Tecendo nexos: história das instituições educativas. Bragança Paulista: Editora Universitária São Francisco, 2004.

MEYER, Dagmar Elisabeth Estermann. Identidades traduzidas: cultura e docência teuto-brasileiro-evangélica no Rio Grande do Sul. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, São Leopoldo: Editora Sinodal, 2000.

MORCH, Maria Luiza Azevedo. A ideologia educacional brasileira como fator de integração forçada do descendente do imigrante alemão à cultura nacional: 1937-1945. 1988. 332f. Dissertação (Mestrado em História) - Programa de Pós-Graduação em História da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1988.

NEUMANN, Rosane Marcia. Uma Alemanha em miniatura: o Projeto de imigração e colonização étnico particular da colonizadora Meyer no Noroeste do Rio Grande do Sul (1897-1932). 2009. 631f. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

NOSELLA, Paolo; BUFFA, Ester. Instituições escolares. Por que e como pesquisar. Campinas, SP: Editora Alínea, 2009.

POLLAK, Michael. Memória, Esquecimento, Silêncio. Estudos históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n.3, p. 3-15, 1989.

PROST, Antoine. Doze Lições sobre História. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015.

ROSA, André Schmidt da; TRENNEPOHL, Vera L; CARNEIRO, Elenise de. A história do aluno percebida na história de Ijuí a constituição do "ser professor": refletindo sobre um diálogo estabelecido com alunos do ensino médio. In: Salão do Conhecimento, 2017, Ijui. Jornada de Pesquisa - Ciências Humanas. Ijui: Unijui, 2017. v. 1. p. 1-9.

SANTOS, Rodrigo Luis. Palavras, ideias e tensões: as relações conflituosas entre o sínodo rio-grandense e a secretaria de educação do Rio Grande do Sul (1938-1943). Agora. Santa Cruz do Sul, v. 17, n. 02, p. 127-133, jul./dez. 2016.

SCHWARCZ, Lilia Moritz; STARLING, Heloisa Murgel. Brasil: Uma biografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

SIEDENBERG. Breve Histórico do Ginásio Evangélico Augusto Pestana: da escola da roça ao ginásio moderno. Elaborado por Henrique Siedenberg e organizado e traduzido por íris Zwanziger e Ulrich Löw. Ijuí: Löw, 1952.

SILVA, Eduardo Cristiano Hass da; FIGUEIREDO, Milene Moraes de. Traçando o perfil social de técnicos contabilistas: uma análise prosopográfica a partir de fontes encontradas no Memorial do Colégio Farroupilha de Porto Alegre/RS. História Unicamp, v. 3, n. 6, p. 451-462, 2016.

SILVA, Haike Rosane Kleber da. Entre o amor ao Brasil e ao modo de ser alemão: a história de uma liderança étnica (1868-1950). São Leopoldo: Oikos, 2006.

STEPHANOU, Maria; BASTOS, Maria Helena Camara. História, memória e História da Educação. In: STEPHANOU, M; BASTOS, M. H. C. (Org.). Histórias e Memórias da Educação no Brasil. v. III – Século XX: Vozes, 2005. p. 416-429.

VIÑAO FRAGO, Antonio. Sistemas educativos, culturas escolares y reformas. Madrid: Morata, 2006.

WACHHOLZ, Wilhelm; SCHMIDT, Jefferson. Preservando, reformulando e produzindo identidade teuta no Brasil através da escola. In: Anais do Congresso Internacional da Faculdade EST. São Leopoldo, EST, v. 1, 2012. p. 1624-1640.

WILLENS, Emílio. A aculturação dos alemães no Brasil. Estudo antropológico dos alemães e seus descendentes. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1946.

Publicado

2021-06-29

Edição

Seção

Dossiê Imigração e Colonização alemãs no Brasil