O 8 DE MARÇO NA HISTÓRIA: entre resistências e lutas, combinando “Ls”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v22i0.6488

Palavras-chave:

Mulher. Emancipação da mulher. Direitos da mulher. Feminismo.

Resumo

O presente artigo tem como tema o “8 de março” pensando o início de sua comemoração e seu cenário atual como oposição ao local social estabelecido à mulher e naturalizado como tal. Seu objetivo é refletir sobre a consolidação do Dia Internacional da Mulher como um evento internacional de resistência feminina, que se afirma na luta das socialistas no início do século XX, após a Revolução Russa, e que volta neste século XXI, diante da organização de vários feminismos unidos à esquerda, a pautar suas lutas sem permitir qualquer retrocesso. Ao contrário, o movimento feminista quer ir além. Mais direitos fundamentais são reivindicados. Mulheres de luta, mulheres que utilizam as letras, que ocupam os espaços públicos para exigirem liberdade nesta sociedade heteronormativa e patriarcal, que ainda sufoca as vozes femininas, que age com violência, que mata. Utilizou-se como metodologia de pesquisa o levantamento bibliográfico e documental contextualizado em seus períodos. Defende-se a propriedade de uma frente ampla de feminismos críticos ao capitalismo, o que vem se afirmando na América Latina.

Biografia do Autor

Mary Garcia Castro, Universidade Federal da Bahia - UFBA

Phd em Sociologia; Doutora em Sociologia; Professora aposentada da UFBA; pesquisadora Flacso-Brasil.

Samantha Lodi-Corrêa, Faculdades Integradas Maria Imaculada - FIMI

Doutora e mestre em Educação pela Unicamp na área de Filosofia e História da Educação; Pedagoga pela Facha; Licenciada em História pela Unifran; bacharel em Comunicação Social pela Unesp. Professora nas Faculdades Integradas Maria Imaculada e professora substituta na Unesp (2021) campus Presidente Prudente. Membro do Coletivo de MUlheres Maria Lacerda de Moura.

Rita de Cássia Fraga Machado, Universidade do Estado do Amazonas - CEST/UEA

Doutora em Educação; Rede Brasileira de Mulheres Filósofas UNESCO - Rede de Mulheres Filósofas da América Latina; Vice-Coordenadora do PPG em Educação UEA/AM.  Universidade do Estado do Amazonas - CEST/UEA.

Referências

ANUÁRIO BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA 2020. Brasil: Fórum brasileiro de segurança pública, 2020. Disponível em: https://forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2021/02/anuario-2020-final-100221.pdf. Acesso em: 18 mai.2021

COLOMBRINI, Flávio; ALONSO, Beatriz. Lute como uma menina. Revista Pedagógica, Chapecó – RS, v.19, n. 40, jan./abr. 2017. Textos audiovisuais. DOI: https://doi.org/10.22196/rp.v19i40.3764. Acesso em: 27 jun. 21.

FREITAS, Ana Lúcia Souza. In: STRECK, Danilo R. (Coord.). Utopia. 4.ed.rev.amp. Belo Horizonte: Autentica Editora, 2018. p. 481-482.

GOLDMAN, Wendy. Mulher, estado e revolução: política soviética e da vida social entre 1917 e 1936. São Paulo: Boitempo, 2014.

GONZÁLEZ, Ana Isabel Álvarez. As origens e a comemoração do dia internacional das mulheres. São Paulo: Expressão Popular: SOF – Sempre Viva Organização Feminina, 2010.

HOLLANDA, Heloisa Buarque de. (Org.) Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloniais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020

JESUS, Carolina Maria de. Quarto de despejo. São Paulo: Francisco Alves, 1963.

KOLLONTAI, Alexandra. “O dia da mulher”. Pravda, 17 de fevereiro de 1913. Trad. Cecília Rosas. In: SCHNEIDER, Graziela. (Org.). A revolução das mulheres: emancipação feminina na Rússia soviética: artigos, atas, panfletos, ensaios. São Paulo: Boitempo, 2017.

KOLLONTAI, Alexandra. Na Rússia também haverá um dia da mulher. 1914. Trad. Cecília Rosas. In: SCHNEIDER, Graziela (Org.). A revolução das mulheres: emancipação feminina na Rússia soviética: artigos, atas, panfletos, ensaios. São Paulo: Boitempo, 2017.

LOUREIRO, Isabel. (Org). Rosa Luxemburgo: Textos escolhidos 1. Tradução por Stefan Fornos Klein et. al. 3. ed. São Paulo: Editora Unesp, 2018.

LUGONES, Maria. Rumo a um feminismo decolonial. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 22, n. 3, p. 935-952, set./dez. 2014.

SEGATO, Rita. La nacion y sus otros: raza, etnicidad y diversidad religiosa en tiempos de políticas de la identidad. Buenos Aires: Prometeo Libros, 2007.p 13-70

SOARES, Maria Covre Sussai. Et. al.. In: AVELAR, Lúcia; BLAY, Eva Alterman. (Org.). 50 anos de feminismo: Argentina, Brasil e Chile: A construção das mulheres como atores políticos e democráticos. São Paulo: Ed. da FAPESP, 2019.

ZETKIN, Clara; DUNCKER, Käte. Proclamación del Día Internacional de la Mujer (8 de marzo). Segunda Conferencia Internacional de Mujeres Socialistas, Copenhague, 26-27 de agosto de 1910. (Propuesta y redacción de Clara Zetkin, Käte Duncker y otras compañeras) Disponível em: https://www.marxists.org/espanol/tematica/mujer/la-internacional-de-mujeres-socialistas/2da-conferencia-1910/1910-08-27-proclamacion8marzo-zetkin.pdf Acesso em: 4 abr. 2021.

ZETKIN, Clara. Resolución de la Conferencia Extraordinaria de la Internacional de Mujeres Socialistas. Berna, 26, 27 y 28 de marzo de 1915. Disponível em: https://www.marxists.org/espanol/tematica/mujer/la-internacional-de-mujeres-socialistas/3ra-conferencia-1915/1915-03-28-reso3confimmss-zetkin.pdf Acesso em: 4 abr. 21.

Publicado

2021-10-12

Edição

Seção

Dossiê: SABERES, MOVIMENTOS E EDUCAÇÃO: diálogos (in)comuns