Percepções dos usos de produções didáticas em uma escola Kaingang

Autores

  • Ana Lúcia Vulfe Nötzold

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v17i34.2915

Resumo

Este artigo analisa os usos do livro “Ouvir Memórias, Contar Histórias: Mitos e Lendas Kaingang” (2006) produzido em coautoria com os professores Kaingang e idosos da Terra Indígena Xapecó/SC. Por se tratar de um grupo de tradição oral, esse livro é utilizado como base de materiais didáticos por professores indígenas em suas aulas. Busca-se perceber se há interferência sobre o conhecimento tradicional, transmitido anteriormente de forma oral, bem como, se esses trabalhos influenciaram na percepção do mito de origem deste povo a partir do uso dos livros. Usamos entrevistas de História Oral e os registros etnográficos de Nimuendajú e Borba. O artigo não é conclusivo, pois busca levantar pontos a serem discutidos por pesquisadores da área, estimulando a reflexão e o debate sobre a recepção de trabalhos acadêmicos sobre a História Indígena, pelas próprias comunidades e suas escolas, a partir da análise da experiência do LABHIN junto ao povo Kaingang.

Publicado

2015-09-08

Edição

Seção

ARTIGOS