O currículo de matemática da Escola Indígena Cacique Banhkrê e a constituição de sujeitos indígenas Kaingang na contemporaneidade

Autores

  • Tanabi Sufiatti
  • Cláudia Glavam Duarte

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v17i34.2923

Palavras-chave:

Museologia Social, Gênero, Museus, Patrimônio, Desigualdades

Resumo

O presente artigo é resultado de uma pesquisa de Mestrado intitulada: O currículo de matemática como dispositivo na constituição do sujeito indígena kaingang contemporâneo da Terra Indígena Xapecó. A investigação teve por objetivo analisar as relações entre o currículo de matemática e a constituição do sujeito indígena kaingang contemporâneo. O estudo desenvolvido mostrou que: i) a importância da matemática escolar se dá por ser entendida como uma “ferramenta de poder”, que permite aos alunos indígenas kaingang “compreenderem o mundo do não índio” fornecendo subsídios e conhecimentos para que o aluno indígena esteja preparado para o “mundo fora da aldeia”; ii) os documentos analisados apresentam a tensão entre as culturas indígena e não indígena; iii) os conhecimentos convivem em constante tensão; e iv) os professores da escola indígena, a fim de privilegiar os conhecimentos provenientes da cultura, trabalham com o que denominamos de “duplo real”.

Publicado

2015-09-08

Edição

Seção

ARTIGOS