Saúde no contexto educacional indígena: análise de livros didáticos de ciências adotados em Escolas Municipais Indígenas de Dourados-MS

Autores

  • Regiani Magalhães de Oliveira Yamazaki
  • Demétrio Delizoicov

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v17i34.2926

Palavras-chave:

Capitalismo cognitivo, Manifestações urbanas, Multidão, Excedência criativa, Museologia da monstruosidade

Resumo

O objetivo desta pesquisa é identificar as concepções de saúde e doença presentes em livros didáticos adotados pelos professores de escolas indígenas do município de Dourados, no Estado de Mato Grosso do Sul. Neste trabalho, foram analisadas duas obras – “Projeto Radix: Ciências” e “Ciências Naturais: aprendendo com o cotidiano” – utilizadas no 7º ano do Ensino Fundamental. Por meio das análises, identificamos que a concepção de doença é compreendida como uma visão que se reduz a uma relação de causa e efeito entre o corpo humano e o agente etiológico e a saúde como ausência de doença. Para o enfrentamento desta compreensão, apontamos a necessidade de os professores de ciências abordarem, em sala de aula, o tema saúde e doença, questões de ordem social e política para a desmistificação da produção da doença e da saúde como elemento reduzido à dimensão individual.

Publicado

2015-09-08

Edição

Seção

ARTIGOS