Militarização das escolas da rede estadual de Goiás: a nova onda conservadora

Autores

  • Paula Cristina Pereira Guimarães UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO
  • Rodrigo Azevedo Cruz Lamosa UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v20i43.4004

Palavras-chave:

Direito ao Protesto, Manifestações Sociais, Exercício democrático.

Resumo

Este trabalho apresenta o andamento da pesquisa sobre o recente e aligeirado processo de militarização de parte das escolas da rede estadual de ensino do Estado de Goiás. O artigo uma pesquisa acerca deste processo, que transfere para a Polícia Militar de Goiás uma parte das escolas do ensino básico, através de uma parceria entre as Secretarias Estaduais de Educação e de Segurança Pública. Uma mistura de privatização com militarização. O objetivo da pesquisa é analisar a emergência de novos modelos de gestão das escolas de educação básica, a partir da inserção das polícias militares nas escolas públicas e seus desdobramentos. Trata-se de uma pesquisa básica, de análise de caráter explicativo, que se insere na categoria de pesquisa de tipo levantamento. Para coleta de dados, foi utilizada revisão de literatura de análise de fontes bibliográficas primárias e secundárias, leis e decretos e os documentos que regem o funcionamento das escolas militarizad

Biografia do Autor

Paula Cristina Pereira Guimarães, UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO

Funcionária Pública no Rio de Janeiro

Discente no Programa de Pós-Graduação em Educação pela UFRRJ

Rodrigo Azevedo Cruz Lamosa, UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO

Professor Adjunto do Departamento Educação e Sociedade (DES) e do Programa de Pós-Graduação em Educação, Contextos Contemporâneos e Demandas Populares (PPGEduc) na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). Doutor em Educação pelo Programa de Pós-graduação em Educação (PPGE) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal do Ensino Superior (CAPES). Mestre em Educação pelo PPGE-UFRJ (2010). Bacharel e licenciado em História pela Universidade Federal Fluminense (UFF/2005). Ex-professor substituto do Departamento de Políticas Públicas, Avaliação e Gestão da Educação da Faculdade de Educação da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ/2014) e no Departamento de Didática da Faculdade de Educação da UFRJ (2012-2013). Líder do grupo de pesquisa Laboratório de Investigação em Estado, Poder e Educação (LIEPE) e pesquisador associado aos grupos de pesquisa Laboratório de Investigações em Educação, Ambiente e Sociedade (LIEAS) e Núcleo de Pesquisa Estado e Poder no Brasil. Membro da comissão organizadora dos grupos interintitucionais de estudo "Estado, Poder e Educação" (GIEPE), sediado na UNIRIO, e Gramsci na Baixada, sediado na UERJ/FEBF. Parecerista de diversos periódicos. Atua na área de Educação, com ênfase nos seguintes temas: Estado e Poder, Políticas Públicas, Gestão Educacional, Trabalho e Educação, e Educação Ambiental. Atualmente coordena as pesquisas "Reforma Gerencial do Estado, Gestão do Trabalho Escolar e Reação Sindical Docente", desde agosto 2015 com previsão de término em agosto de 2017, e A Rede Latino-Americana de Organizações da Sociedade Civil para a Educação: agentes e agendas de uma hegemonia em construção", desde janeiro de 2017 com previsão de término em janeiro de 2019.

Publicado

2018-04-30

Edição

Seção

ARTIGOS