Avaliação da Capacidade Funcional do Paciente Pós-Trauma

Autores

  • Liliana Gama Oliveira UNIVERSIDADE DE FORTALEZA (UNIFOR)
  • Cleidiane Gonzaga Damasceno de Souza UNIVERSIDADE DE FORTALEZA (UNIFOR)
  • Jocasta Porfirio de Souza UNIVERSIDADE DE FORTALEZA (UNIFOR)
  • Margylly Hyanne Cardoso de Araujo UNIVERSIDADE DE FORTALEZA (UNIFOR)
  • José Nilson Rodrigues Menezes UNIVERSIDADE DE FORTALEZA

DOI:

https://doi.org/10.22298/rfs.2019.v7.n1.4641

Resumo

Introdução: o trauma é um agravo à saúde, definido como um acontecimento nocivo caracterizado por alterações estruturais ou pelo desequilíbrio fisiológico do organismo resultante da troca de energia entre os tecidos e o meio. Objetivo: avaliar a capacidade funcional do indivíduo pós-trauma. Métodos: pesquisa quantitativa, do tipo descritivo. Realizada no Núcleo de Atenção Médica Integrada, com indivíduos pós-trauma atendidos no Serviço de Fisioterapia, nos meses de outubro a dezembro de 2017. Foram incluídas pessoas do sexo masculino e do feminino a partir de 18 anos de idade, e foram excluídos indivíduos com dificuldades na fala ou alterações no estado mental que inviabilizasse a entrevista. Os dados foram coletados por meio da escala de Medida de Independência Funcional (MIF) e um questionário sociodemográfico, a amostra foi constituída por 26 participantes. Resultados: a amostra consistiu em 26 indivíduos (n=26), que vinham sendo atendidos pelo setor de fisioterapia, tendo como conduta terapêutica: terapias manuais e eletroterapia, com o objetivo de recuperar a dor e a funcionalidade desses indivíduos, a faixa etária de foi de 18 a 70 anos com média de idade 42,92 ± 16,35, havendo uma prevalência do sexo masculino. Dos indivíduos deste estudo, 77% apresentaram uma independência completa, 8% necessitavam de assistência em até 50% das tarefas, 11% necessitam de assistência em até 25% das tarefas e 4% tinha dependência completa. Considerações finais: foi possível concluir que a maioria dos pacientes pós-trauma que frequentaram a instituição, por mais que tenham alguma alteração física ou cognitiva, apresentaram uma boa capacidade funcional, sendo funcionalmente independentes e capazes de realizar as atividades cotidianas, com o mínimo de ajuda possível.

Biografia do Autor

Liliana Gama Oliveira, UNIVERSIDADE DE FORTALEZA (UNIFOR)

Fisioterapeuta pela Universidade de Fortaleza (Unifor). Pós-graduanda em Fisioterapia Respiratória Cardiovascular Ambulatorial e em UTI na Unifor.

Cleidiane Gonzaga Damasceno de Souza, UNIVERSIDADE DE FORTALEZA (UNIFOR)

Fisioterapeuta pela Universidade de Fortaleza (Unifor). Bolsista do Programa Aluno Voluntário de Iniciação Cientifica da Fundação Edson Queiroz (Probic/Fortaleza-CE).

Jocasta Porfirio de Souza, UNIVERSIDADE DE FORTALEZA (UNIFOR)

Fisioterapeuta pela Univerdade de Fortaleza (Unifor). Bolsista do Programa de Iniciação Cientifica da Fundação Edson Queiroz (Pavic/Fortaleza-CE). Pós-graduanda em Gerontologia na Unifor.

Margylly Hyanne Cardoso de Araujo, UNIVERSIDADE DE FORTALEZA (UNIFOR)

Fisioterapeuta pela Univerdade de Fortaleza (Unifor). Bolsista do Programa Institucional bolsas de Iniciação Científica (Pibic/Fortaleza-CE).

José Nilson Rodrigues Menezes, UNIVERSIDADE DE FORTALEZA

Fisioterapeuta pela Universidade de Fortaleza (Unifor). Doutor em Biotecnologia pela Universidade Estadual do Ceará (Uece-Renorbio). Professor na Unifor no Curso de Fisioterapia e Psicologia e na Pós-Graduação de Neurociência Reabilitação no Centro de Ciência da Saúde (CCS-Fisioterapia).

Downloads

Publicado

2019-10-28

Como Citar

OLIVEIRA, L. G.; DAMASCENO DE SOUZA, C. G.; SOUZA, J. P. de; CARDOSO DE ARAUJO, M. H.; MENEZES, J. N. R. Avaliação da Capacidade Funcional do Paciente Pós-Trauma. Revista FisiSenectus, Chapecó, Brasil, v. 7, n. 1, p. 3–14, 2019. DOI: 10.22298/rfs.2019.v7.n1.4641. Disponível em: https://bell.unochapeco.edu.br/revistas/index.php/fisisenectus/article/view/4641. Acesso em: 23 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos