BENEFICÊNCIA E INSTRUÇÃO: ações católicas na história da educação na capital do império (1880-1930)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v22i0.4309

Palavras-chave:

Igreja Católica, Estado, Escola, História da Educação

Resumo

Este trabalho tem como finalidade apresentar a história de instituições educativas, escolares e assistencialistas mantidas pela Igreja Católica da Candelária (1634), a partir da década de 1880. São o Asilo para Infância desvalida e o Recolhimento de Nossa Senhora da Piedade que, posteriormente, em 1939, se tornam Educandários (existentes até os dias atuais). Apresentam-se como possibilidade de recorte temporal as décadas de 1880 e 1930. Para esta tarefa foram analisados os acervos sob guarda da própria Igreja da Candelária e da Irmandade, como livros, ofícios, manuscritos, legislações e estatutos. Como operação metodológica, ainda, se propõe um diálogo com a historiografia da educação e os estudos e pesquisas recentes em circulação. Entre as considerações alcançadas, foi possível refletir acerca das relações estabelecidas entre Estado e Sociedade Civil (Igreja Católica) em torno das práticas assistencialistas, educativas e religiosas direcionadas às “infâncias” em idade escolar.

Biografia do Autor

Cíntia Borges de Almeida, Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC)

Professora Doutora do Departamento de Ciências da educação e do Programa de Pós-Graduação da UESC. Coordenadora do Grupo de Pesquisa em Política e História da Educação (GRUPPHED/ UESC).

Rosemarry da Silva Gomes Barbosa, Faculdade Fernanda Bicchieri (FABEL)

Pedagoga licenciada pela Faculdade Fernanda Bicchieri (FABEL). Exerce o cargo de Supervisora Administrativa do Curso Marca.

Aline de Morais Limeira Pasche, Programa de Pós-Graduação em Educação – ProPEd/ UERJ

Doutora em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Professora Adjunta da Faculdade de Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro e do Programa de Pós-Graduação em Educação – ProPEd/ UERJ. Membro do Núcleo de Ensino e Pesquisa em História da Educação.

Publicado

2020-11-30

Edição

Seção

Artigos Demanda Contínua