USO E A DIFUSÃO DA LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS NA ESCOLA COMUM

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v22i0.4998

Palavras-chave:

América Latina, Caribe, Union Europea, Cooperación internacional, Estado de Derecho

Resumo

O uso e a difusão da Libras, por estudantes ouvintes que têm acesso a esta língua no decorrer do processo de escolarização, constituem o tema dessa pesquisa, cujo objetivo foi identificar se, no cotidiano escolar, os alunos difundem e fazem uso desta língua como meio de comunicação com os surdos. Trata-se de uma pesquisa de campo de natureza qualitativa e de cunho etnográfico, observando o comportamento de um grupo de indivíduos no cotidiano escolar. A pesquisa mostra que os alunos ouvintes fizeram uso da língua de sinais dentro da escola, com algumas especificidades como: a) diferença de uso da língua entre os gêneros masculino e feminino; b) maior aproximação com a língua de sinais no grupo de escolares que frequentam os Anos Iniciais do Ensino Fundamental; c) importância do professor bilíngue dentro da escola, no diálogo com todos os alunos. Conclui-se que a língua de sinais é importante para os alunos ouvintes e surdos dentro da escola comum, possibilitando a inclusão do aluno surdo.

Biografia do Autor

Patrícia Graff, Universidade Federal da Fronteira Sul

Doutora e Educação (UNISINOS), Mestre em Educação nas Ciências (UNIJUÍ), Licenciada em Educação Especial (UFSM).

Publicado

2020-05-19

Edição

Seção

Dossiê - Educação Inclusiva