A RESPEITO DA SOCIEDADE DO ESPETÁCULO E A TAREFA DA EDUCAÇÃO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v22i0.5098

Palavras-chave:

Sociedade do Espetáculo, Guy Debord, Educação, Freire

Resumo

Guy Debord, na obra A Sociedade do Espetáculo (1997), afirma que toda a vida das sociedades nas quais reinam as modernas condições de produção se apresenta como uma imensa acumulação de espetáculos. O artigo, de bases teóricas e de caráter bibliográfico, busca compreender o conceito de Sociedade do Espetáculo, sua atualidade e implicações e, a partir da perspectiva Freireana (1977, 2017), refletir sobre a responsabilidade da educação em meio a este diagnóstico revelado por Debord no sentido de promover uma cidadania permanentemente revisitada, infindavelmente revisada e criticamente refletida. A educação não pode se furtar à tarefa de propor uma reflexão crítica sobre o cotidiano
como forma de revelar e combater as artimanhas desse tipo de sociedade a fim de que a vida não caia numa artificialidade irrecuperável devido à nossa apatia em relação à lógica da economia hegemônica, rígida, dogmática e autoritária.

Biografia do Autor

Ricardo Cocco, Universidade Federal de Santa Maria Campus Frederico Westphalen

Doutor em Educação pela Universidade de Passo Fundo com Estágio Sanduíche no Instituto Politécnico de Portalegre - Portugal. Técnico em Assuntos Educacionais na UFSM - Campus Frederico Westphalen. Locutor/Apresentador da Rádio Comunitária de Frederico Westphalen.

Publicado

2020-08-05

Edição

Seção

Artigos Demanda Contínua