Jean-Marc-Gaspard Itard, Lev Semionovitch Vigotski e o determinismo biológico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v22i0.5323

Palavras-chave:

Kaingang, História indígena, Historiografia do Sul do Brasil

Resumo

No presente ensaio, são apresentados alguns fatos históricos que, talvez, possam lançar alguma luz para a compreensão do hiato histórico que se verifica entre dois estudiosos que se ocuparam de questões ligadas à educação de crianças com deficiência, no passado. São eles: Jean-Mark-Gaspard Itard e Lev Semionovitch Vigotski. O primeiro nasceu no sul da França, em 1774; o segundo nasceu na Bielorrúsia em 1896. No presente texto, inicialmente, é feita uma síntese das principais ideias de cada autor acerca da educação e do desenvolvimento de crianças com deficiência, buscando-se destacar aquelas que apresentam similaridades entre si. Em seguida, procura-se realizar uma caracterização do cenário científico que se desdobrou nesse intervalo de cento e vinte anos e suas principais relações com o contexto social maior da época, apontando-se para o que, talvez, possa estar na raiz do adormecimento histórico das concepções de Jean Itard, a saber, a hegemonia da doutrina do determinismo biológico.

Biografia do Autor

Elizabeth Tunes, UnB UniCeub

Pesquisadora associada da Universidade de Brasília e professora do Centro Universitário de Brasília

Aline Souza Pereira, UNB

Doutoranda no Programa de Pós-graduação em Educação da Faculdade de Educação- Universidade de Brasília.

Publicado

2020-05-19

Edição

Seção

Dossiê - Educação Inclusiva