A AGENDA DA PRODUTIVIDADE DA CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA: qual o papel da (contra) reforma do ensino médio?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v22i0.5798

Palavras-chave:

Produtividade, Ensino Médio, Política Pública, Indústria 4.0, Trabalho-Educação

Resumo

O presente texto se propõe a discutir a interseção entre agenda de incremento da produtividade por parte da Confederação Nacional da Indústria (CNI) e a (contra)Reforma do Ensino Médio (Lei nº 13.415/2017). Destacamos as premissas advogadas pela CNI para a formação da força de trabalho em uma etapa histórica da produção industrial que tem sido denominada como Indústria 4.0. Para tanto, o texto identifica a definição corrente de produtividade, bem como questiona os limites estruturais do incremento da produtividade no Brasil. Ao pôr em pauta a agenda de incremento da produtividade pela CNI, apresentamos suas principais formulações acerca da educação de nível médio e profissional, para então concluir se o pressuposto formativo da (contra)Reforma do Ensino Médio se coaduna com as demandas propugnadas pela CNI.

Biografia do Autor

Livia Mouriño de Mello, Universidade Federal Fluminense

Mestre e doutoranda em Educação pelo Programa de Pós Graduação em Educação da Universidade Federal Fluminense; Integrante do Grupo de Pesquisa GPETED/UFF e Professora de História no Pré Vestibular Social de Fundação Cecierj/Consórcio Cederj.

Bruno Gawryszewski, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutor em Educação pelo PPGE/UFRJ. Professor do Departamento de Administração Educacional da Faculdade de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFRJ.

Publicado

2020-12-13

Edição

Seção

Dossiê - Políticas Públicas de Ensino Médio: diferentes contextos em análise