PEDAGOGIAS PERIFÉRICAS: histórias de vida das catadoras da cooperativa Santa Rita/ RS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v22i0.6327

Palavras-chave:

Mulheres catadoras. Educação. Feminismo. Movimentos.

Resumo

O presente artigo proporciona um espaço para contar histórias de vida de mulheres que trabalham na catação de materiais recicláveis na Cooperativa de Reciclagem Santa Rita, localizada na cidade de Rio Grande/RS. Para isso, utilizamos como metodologia, pressupostos da história oral e entrevista aberta. Tendo como objetivo geral compreender como as mulheres que se ocupam da catação, na cooperativa de reciclagem Santa Rita, se reconhecem enquanto mulheres e como este reconhecimento está atrelado ao mundo do trabalho e educação. Mesmo que as mulheres sejam a maioria no espaço da catação, conforme dados encontrados ao longo da realização da pesquisa, há ainda uma resistência em reconhece-las enquanto liderança nesse espaço. Além disso, é possível observar, a partir das histórias de vida das mulheres, que todos os espaços nos educam e elas fazem o trabalho de educar-se entre si. O que concluímos a partir da pesquisa é a construção coletiva dessas mulheres do direito de ser mulher, compreendendo sua importância e lugar no mundo. Além disso, é possível encontrar em sua prática, conceitos importantes para o feminismo, como, por exemplo, a dororidade.

Biografia do Autor

Raylene Barbosa Moreira, Universidade Federal do Rio Grande

Pedagoga pela Universidade Federal Fluminense, especialista em Direitos Humanos e Ressocialização, mestra em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande. Grupo de Pesquisa Interdisciplinar Lélia Gonzalez.

Cristiane Troina Ferreira, Universidade Federal do Rio Grande

Cientista Social pela Universidade Federal de Pelotas. Mestra em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande. Atualmente é tutora da UFPel e professora de sociologia. Grupo de Pesquisa Interdisciplinar Lélia Gonzalez.

Amanda Motta Castro, Universidade Federal do Rio Grande

Doutora em Educação pelo programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Vale do Rio dos Sinos/UNISINOS. Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande /FURG e docente do Departamento de Educação da mesma instituição. Grupo de estudos e pesquisa interdisciplinar Lélia Gonzalez.

Referências

AMARO, Aurélio Bandeira & VERDUM, Roberto (orgs.) Política Nacional de Resíduos Sólidos e suas Interfaces com o espaço geográfico: entre conquistas e desafios. Porto Alegre: Editora Letra1, 2016, p. 309-320 DOI: 10.21826/9788563800237

BERTH, Joice. O que é empoderamento?. Belo Horizonte: Letramento, 2018.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra,2005.214p.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. l.ed., IS.reimpr. Rio de Janeiro: LTC, 2008. 323p.

GEBARA, Ivone. A mobilidade da Senzala Feminina: Mulheres nordestinas, vida melhor e feminismo. São Paulo: Pia Sociedade Filhas de São Paulo, 2000. 111p.

HIRATA, Helena; ZARIFIAN, PHILIPPE. O conceito do trabalho. In. SÃO PAULO. Prefeitura Municipal Coordenadoria Especial da Mulher. Trabalho e cidadania ativa para as mulheres: desafios para as Políticas Públicas / Marli Emílio (org.), Marilane Teixeira (org.), Miriam Nobre (org.), Tatau Godinho (org.). São Paulo: Coordenadoria Especial da Mulher, 2003. p. 65-70.

HIRATA, Helena. Por quem os sinos dobram? Globalização e divisão sexual do trabalho. In. SÃO PAULO. Prefeitura Municipal Coordenadoria Especial da Mulher. Trabalho e cidadania ativa para as mulheres: desafios para as Políticas Públicas / Marli Emílio (org.), Marilane Teixeira (org.), Miriam Nobre (org.), Tatau Godinho (org.). - São Paulo: Coordenadoria Especial da Mulher, 2003. p. 15 -30.

JESUS, Carolina Maria. Quarto de Despejo. Edição Popular. São Paulo: Editora Saraiva. 1960.

JESUS, Carolina Maria. Diário de Bitita. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1986.

JUNIOR, Jenes Damasceno; EMEMRDOERFFER, Márcia. Lixão e catadores: a interação desumana e a busca da cidadania. ICTR 2004 – Congresso Brasileiro de Ciência e Tecnologia em Resíduos e Desenvolvimento Sustentável. Santa Catarina, 2004.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom. Manual de história oral. 5ª ed. São Paulo: Loyola, 2005.

MÉNDEZ, José Mario. Cuerpos, Pedagogías y Diversidades: redescubrir el placer de aprender. Revista Pedagógica, Chapecó, v. 21, p. 85-98, 2019. DOI: http://dx.doi.org/10.22196/rp.v21i0.4597

MNCR - Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis. Disponível em: < http://www.mncr.org.br/> Acesso em: 20 dez. 2020.

MOTTA, Daniele Cordeiro. Desvendando o nó: a experiência de auto-organização das mulheres catadoras dos materiais recicláveis do Estado de São Paulo. 2017. 196 f. Tese (Doutorado) - Curso de Doutorado em Filosofia, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2017/.

NOGUEIRA, Maria L. M.; BARROS, Vanessa, A. de; ARAÚJO, Adriana D., G.; PIMENTA, Denise. O método de história de vida: a exigência de um encontro em tempos de aceleração. Pesquisas e Práticas Psicossociais 12, São João del Rei, 2017.

OLIVEIRA, Artur Santos Dias De. Lixões: O preço da Ignorância. Rio Grande: Salesianos, 1992. 90p.

PIEDADE, Vilma. Dororidade. São Paulo: Editora Nós, 2017.

SAFFIOTI, Heleieth. Gênero, patriarcado, violência. 1ªed. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2014. 106p.

SAFFIOTI, Helleieth I. O Poder do Macho. São Paulo: Editora Moderna, 1987.

SANTOS, Milton. Pobreza urbana. 3ª ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2009.

SOLOMON, Barbara Bry ant. Black Empowerment: Social Work in Oppressed Communities. Nova York: Columbia University Press, 1976.

VÈRGES, Françoise. Um feminismo decolonial. Tradução de Jamille Pinheiro Dias e Raquel Camargo. São Paulo: Ubu Editora, 2020. 144 p.

Publicado

2021-10-12

Edição

Seção

Dossiê: SABERES, MOVIMENTOS E EDUCAÇÃO: diálogos (in)comuns