PENSANDO PEDAGOGIAS PARA A EMANCIPAÇÃO HUMANA:

contribuições de licenciatura indígenas de Brasil e Colômbia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v22i0.6372

Palavras-chave:

Educação. Desenvolvimento da pessoa humana. Cultura indígena.

Resumo

Este artigo apresenta reflexões em direção a visões educacionais mais ampliadas e profundas, sob a ótica da educação como forma de transcendência e de emancipação humana. As considerações partem de uma investigação de Doutorado que tem como objetivo identificar desafios e potenciais de Licenciaturas Indígenas da América Latina, sendo que neste texto são abordadas potencialidades de programas desenvolvidos em instituições de ensino superior de diferentes regiões do Brasil e da Colômbia, principalmente no que tange a estratégias diferenciadas de formação docente e de formação de formadores/as. É utilizada a perspectiva metodológica cartográfica, a qual permite a abertura para acompanhar processos, sem a determinação previa de regras fixas, com diferentes graus de interação no sentido de colaborar em um campo de forças. A investigação mostra a existência de elementos com potencial de inspiração para propostas educacionais e sistemas de formação docente não indígena, tendo como base a pesquisa, autopesquisa, histórias de ventre, princípios pedagógicos da Mãe Terra e planos e/ou estruturas curriculares em forma de espiral ou de rede. É destacada a importância de que essas estratégias pedagógicas sejam pesquisadas, evidenciadas e experimentadas em outros programas e universidades, visando reinvenções educacionais na direção de mudanças mais amplas da sociedade e da visão de educação, tendo em vista a necessidade de emancipação humana.

Biografia do Autor

Beatriz Osório Stumpf, Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC)/Doutoranda

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGEdu) da Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC). Membro do Grupo de Pesquisa “Peabiru: Educação Ameríndia e Interculturalidade” do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGEDU) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e PPGEdu da UNISC.  E-mail: beatriz.osoriostumpf@yahoo.com.br

Ana Luisa Teixeira de Menezes, Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC) / professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação e de Psicologia Profissional

Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2006). Professora do PPGEdu da UNISC. Vice-líder do Grupo de Pesquisa “Peabiru: Educação Ameríndia e Interculturalidade”. E-mail: luisa@unisc.br

Referências

GASCHÉ, Jorge. La motivación política de la educación intercultural indígena y sus exigencias pedagógicas. Hasta dónde abarca la interculturalidad? In: BERTELY, María; GASCHÉ, Jorge; PODESTÁ, Rossana (Coord.). Educando en La diversidad cultural: Investigaciones y experiencias educativas interculturales y bilíngües. Quito-Ecuador: Ediciones Abya-Yala, 2008. p. 279-367.

GUATTARI, Félix. As três ecologias. Campinas, SP: Papirus, 1990.

GUERRERO ARIAS, Patricio. Corazonar desde las sabidurías insurgentes el sentido de las epistemologías dominantes para construir sentidos otros de la existencia. Sophia, Colección de Filosofía de la Educación, Universidad Politécnica Salesiana del Ecuador, n. 8, p. 101-146, 2010.

KRENAK, Ailton. O amanhã não está a venda. São Paulo: Companhia das Letras, 2020.

KRISHNAMURTI, Jiddu. A educação e o significado da vida. Tradução: Hugo Veloso. São Paulo: Cultrix, 1973.

LEGAN, Lucia. A escola sustentável: eco-alfabetizando pelo ambiente. 2. ed. Pirenópolis/GO: Ecocentro IPEC, 2007. 184 p.

MAINARDES, Jefferson; CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Autodeclaração de princípios e de procedimentos éticos na pesquisa em Educação. In: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação. Ética e pesquisa em Educação. Rio de Janeiro: ANPED, 2019. p. (130-133).

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Fundação Universidade Federal do Amapá. Pró-Reitoria de Ensino de Graduação. Campus Binacional de Oiapoque. Curso de Licenciatura Intercultural Indígena. Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura Intercultural Indígena. Oiapoque, 2019.

MORIN, Edgar. A cabeça bem feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Tradução: Eloá Jacobina. 12 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006. 128 p.

MOURA, A. C.; LIMA, J. C. Diálogos entre ensino e pesquisa: incentivo à pesquisa como atividade investigativa na educação básica. Revista Pedagógica, v. 23. p. 1-21, 2021.

PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; TEDESCO, Silvia. Apresentação. In: PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; TEDESCO, Silvia (Orgs.). Pistas do método da cartografia: a experiência da pesquisa e o plano comum. Porto Alegre: Sulina, 2014. p. 07-16.

PELLANDA, Nize Maria Campos. Maturana & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009. (Coleção Pensadores & Educação).

SILVA, Fabrício Oliveira da; MATTOS, Rita de Cassia Menezes. Escritas e reflexões de si: memorial como dispositivo autoformativo. Revista Pedagógica, v. 23, p. 1-22, 2021.

STEINER, Rudolf. A arte da educação - I: o estudo geral do homem: uma base para a pedagogia. Tradução de Rudolf Lanz e Jacira Cardoso. São Paulo: Antroposófica, 2003.

STEINER, Rudolf. A metodologia do ensino e as condições de vida do educar. Tradução de Christa Glass. São Paulo: Federação das Escolas Waldorf do Brasil. 1974.

TEDESCO, Silvia Helena; SADE, Christian; CALIMAN, Luciana Vieira. O coletivo de forças como plano de experiência cartográfica. In: PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; TEDESCO, Silvia (Orgs.). Pistas do método da cartografia: a experiência da pesquisa e o plano comum. Porto Alegre: Sulina, 2014. P. (92-108).

UNIVERSIDAD DE ANTIOQUIA, Facultad de Educación, Programa de Educación Indígena. Documento Maestro del Programa Licenciatura en Pedagogía de la Madre Tierra, Medellín, 2018. 263 p.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Centro de Filosofia e Ciências Humanas. Departamento de História. Projeto Político Pedagógico do Curso Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica (Guarani, Kaingang E Laklãnõ-Xokleng), Florianópolis/SC, 2015.

Publicado

2021-10-08

Edição

Seção

Dossiê: SABERES, MOVIMENTOS E EDUCAÇÃO: diálogos (in)comuns