EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ARGUMENTAÇÃO COMO FERRAMENTAS DE CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO NA FORMAÇÃO DOCENTE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v26i1.7584

Palavras-chave:

Argumentação, Construção do conhecimento, Educação Ambiental, Formação docente

Resumo

Este estudo objetiva compreender reflexões acerca dos processos argumentativos realizados por licenciandos em Química da Universidade Federal de Pernambuco – Campus Agreste ‒ sobre um tema socioambiental. Sendo assim, analisa a contribuição das ações discursivas para o diálogo que visa a construção do conhecimento; e a concepção dos estudantes sobre os impactos causados ao meio ambiente. Refere-se a uma pesquisa qualitativa e de cunho descritivo e tem como fonte de dados as falas e os argumentos dos professores em formação durante uma roda de diálogo em torno do tema Poluição dos rios. A análise se deu pelas ações discursivas: pragmática, epistêmica e argumentativa, bem como pela unidade triádica: argumento, contra-argumento e resposta. No debate foram evidenciadas as ações discursivas de forma entrelaçada; a integralidade da unidade triádica na argumentação; e a essência da ação epistêmica na opinião dos licenciandos. Concluiu-se que esse movimento contribuiu para a construção do conhecimento, visto que os licenciandos estavam constantemente movendo processos reflexivos. E, assim, repensou-se sobre o seu contexto social, para posteriormente refletir sobre estratégias para o ensino de Ciências.

Biografia do Autor

Jeneffe Ferreira dos Santos, Universidade Federal de Pernambuco

Graduada em Química-Licenciatura pela Universidade Federal de Pernambuco - (UFPE -Campus Agreste). Admiradora e pesquisadora da área de Química, com ênfase em ensino de Química e Educação Ambiental. Ex-bolsista do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID e do Residência Pedagógica - RP com o subprojeto UFPE-Química. Ex-voluntária do projeto de extensão intitulado "Educação Ambiental e a formação cidadã: a importância da sustentabilidade frente as pressões sobre o meio natural e social".

Roberto Araujo Sá, Universidade Federal de Pernambuco

Biólogo(1999) pela Universidade Estadual do Piauí, Mestre em Bioquímica (2002) e Doutor em Química (2008) pela Universidade Federal de Pernambuco com Pós-Doutoramento em Biologia Molecular (2008-2009 PRODOC/CAPES) pela UFPE. Atuou como Bolsista de Desenvolvimento Tecnológico e Industrial do CNPq (janeiro a julho de 2008). Professor Associado III do Centro Acadêmico do Agreste da UFPE nos Cursos de Química-Licenciatura e Licenciatura Intercultural Indígena.Também foi Coordenador do Curso de Química-Licenciatura do CAA/UFPE. Fazendo parte como Orientador do Mestrado Acadêmico do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática do Centro Acadêmico do Agreste da UFPE. Trabalha com Metodologias e Práticas de Ensino de Química e Biologia. Pesquisando os processos metodológicos e as práticas que conduzem o ensino e a aprendizagem das ciências , bem como os fenômenos relacionados a esses processos em diferentes níveis e contextos educativos. Pesquisa também a Educação Ambiental e a Formação de Professores. Também pesquisa BIOATIVOS de PLANTAS MEDICINAIS DO AGRESTE PERNAMBUCANO, abordando a Química e Bioquímica de produtos naturais, com ênfase em metabólitos secundários, Glicídeos e Proteínas de origem vegetal, atuando principalmente nos seguintes temas: Purificação e Caracterização de Polissacarídeos, Atividade Antioxidante de Extratos Vegetais, Purificação de Proteínas (Lectinas) Vegetais e Avaliação de Suas Propriedades Biológicas e Biotecnológicas, como Atividades Antimicrobiana e Inseticida. ÓLEOS ESSENCIAIS: EXTRAÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E ATIVIDADE INSETICIDA E DE REPELÊNCIA. Atuou no Pibid CAPES na Universidade Federal de Pernambuco - Centro Acadêmico do Agreste, como Coordenador do Subprojeto de Química-Licenciatura no período de 2012 a 2019. Atualmente é Vice Coordenador do Curso de Química Licenciatura do Campus do Agreste. Atualmente é Coordenador do RESIDÊNCIA PEDAGÓGICA CURSO QUÍMICA-LICENCIATURA CAMPUS DO AGRESTE DA UFPE

Referências

ANTUNES-SOUZA, Thiago; PUCCI, Renata Helena Pin. Dialogia em sala de aula: contribuições do desenvolvimento de debates e o uso de argumentação no ensino de Química. Revista de Ciências da Educação, Americana, v. 21, n. 45, p. 141-159, jul./dez. 2019.

DE CHIARO, Sylvia; AQUINO, Kátia Aparecida da Silva. Argumentação na sala de aula e seu potencial metacognitivo como caminho para um enfoque CTS no ensino de química: uma proposta analítica. Educação e Pesquisa, [s. l.], v. 43, p. 411-426, 2017.

DE CHIARO, Sylvia; LEITÃO, Selma. O papel do professor na construção discursiva da argumentação em sala de aula. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 18, n. 3, p. 350-357, dez. 2005.

FREIRE, Paulo. Ensinar não é transferir conhecimento. In: FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2011. p. 33-60.

IBRAIM, Stefannie de Sá; JUSTI, Rosária. Contribuições de ações favoráveis ao ensino envolvendo argumentação para a inserção de estudantes na prática científica de argumentar. Química Nova na Escola, São Paulo, v. 43, n. 1, p. 16-28, fev. 2021.

JACOBI, Pedro. Educação e meio ambiente – transformando as práticas. Revista Brasileira de Educação Ambiental, Brasília, n. 0, p. 28-36, jul. 2004.

LEITÃO, Selma. Argumentação e desenvolvimento do pensamento reflexivo. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 20, n. 3, p. 454-462, 2007.

LEITÃO, Selma. Arguing and Learning. In: LIGHTFOOT, Cynthia; LYRA, Maria (ed.). Challenges and strategies for studying human development in cultural contexts. Roma: Firera & Liuzzo Group, 2009. p. 221-251.

LEITÃO, Selma. O lugar da argumentação na construção do conhecimento em sala de aula. In: LEITÃO, Selma; DAMIANOVIC, Maria Cristina. (org.). Argumentação na escola: o conhecimento em construção. Campinas: Pontes Editores, 2011. p. 13-46.

LUZ, Rodrigo; VIANNA, Christiana Andréa Prudencio; NASSER, Alessandra Caiafa. Contribuição da Educação Ambiental Crítica para o processo de ensino aprendizagem em ciências visando à formação cidadã. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 23, n. 3, p. 60-81, dez. 2018.

MENDONÇA, Paula Cristina Cardoso; IBRAIM, Stefannie de Sá. Argumentação no ensino de química. In: MALDANER, Otávio Alouisio; MACHADO, Patrícia Fernandes Lootens; SANTOS, Wildson Luis Pereira dos (org.). Ensino de Química em Foco. 2. ed. Ijuí: Unijuí, 2019. p. 216-233.

MONTEIRO, Luana; FORTUNATO, Ivan. A educação ambiental e a formação inicial docente: análise das teses nacionais 2013-2017. Revista Pedagógica, Chapecó, v. 21, p. 228-249, 2019.

PINTO, Angelo C.; ZUCCO, Cesar; ANDRADE, Jailson B.; VIEIRA, Paulo C. Recursos humanos para novos cenários. Química Nova, São Paulo, v. 32, n. 3, p. 567-570, maio 2009.

RUA, Emílio R.; SOUZA, Paulo Sérgio Alves de. Educação ambiental em uma abordagem interdisciplinar e contextualizada por meio das disciplinas química e estudos regionais. Química Nova na Escola, São Paulo, v. 32, n. 2, p. 95-100, maio 2010.

SANTOS, Jeneffe Ferreira. Conhecendo a argumentação mobilizada pelos licenciandos a partir de reflexões sobre um problema socioambiental. 2022. 76 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Química Licenciatura) ‒ Universidade Federal de Pernambuco, Caruaru, 2022.

SILVA JÚNIOR, Vladmir Cavalcanti. Uso do júri simulado como atividade avaliativa que mobiliza ações argumentativas. 2022. 109 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Química Licenciatura) – Universidade Federal de Pernambuco ‒ Campus Agreste, Caruaru, 2022.

Downloads

Publicado

2024-03-27

Como Citar

FERREIRA DOS SANTOS, J.; ARAUJO SÁ, R. EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ARGUMENTAÇÃO COMO FERRAMENTAS DE CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO NA FORMAÇÃO DOCENTE. Revista Pedagógica, [S. l.], v. 26, n. 1, p. 1–16, 2024. DOI: 10.22196/rp.v26i1.7584. Disponível em: https://bell.unochapeco.edu.br/revistas/index.php/pedagogica/article/view/7584. Acesso em: 20 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos Demanda Contínua