ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CONTEXTO DO ENSINO INFORMAL

saberes docentes mobilizados na educação especial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22196/rp.v22i0.6064

Palavras-chave:

Ensino não formal, Educação Especial, Educação de Jovens e Adultos, Inclusão, Estágio Supervisionado

Resumo

O aprendizado é assimilado com maior eficiência quando obtido por meio da experiência vivenciada, pois aplica na prática a teoria estudada. Este estudo busca compreender os saberes docentes mobilizados a partir da formação inicial de licenciandos em Ciências Biológicas por meio do Estágio não Formal, desenvolvido por duas turmas de Jovens e Adultos em uma escola de Educação Especial da Região Celeiro do Estado do RS, Brasil. Metodologicamente, trata-se de um estudo com abordagem qualitativa, de natureza exploratória e de estudo de caso. A análise dos dados coletados durante as atividades realizadas permitiu identificar os saberes docentes mobilizados durante os encontros e evidenciar a presença marcante do saber da formação profissional ao longo do estágio. A atividade proporcionou novos aprendizados, tanto aos alunos como às acadêmicas, possibilitando-lhes refletir sobre os processos da Educação Inclusiva, o que permitiu nova experiência formativa no processo de ensino e aprendizagem com alunos que apresentam deficiências intelectuais ou múltiplas no segmento da Educação de Jovens e Adultos. 

Biografia do Autor

Riceli Gomes Czekalski, Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS

Graduanda do curso de Ciências Biológicas - Licenciatura na Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Campus Cerro Largo. Bolsista do Programa de Educação Tutorial (PETCiências - SESu/MEC/FNDE), desenvolvendo por meio do programa atividades de ensino, pesquisa e extensão. Pesquisas com ênfase na área de Formação (Inicial/Continuada) de Professores e Temática Ambiental no Ensino de Ciências da Natureza. Possui interesse na área do Ensino de Ciências e Biologia. Participante dos Ciclos Formativos em Ensino de Ciências e Matemática, do projeto de extensão Grupo de Estudos e Pesquisa em Ensino de Ciências e Matemática (GEPECIEM) - UFFS, Cerro Largo/RS.

Cínthia de Oliveira Gonçalves, Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS)

Graduanda em Ciências Biológicas - Licenciatura, na Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Campus Cerro Largo/RS. Atualmente bolsista do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID - Edital nº 7/2018).

Isabele Gamarra de Freitas, Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS)

Graduanda da 8ª fase do Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas na Universidade Federal da Fronteira Sul - Campus Cerro Largo. Foi bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID/CAPES - 2017/2019). Atualmente é Bolsista de Iniciação Científica (CNPq) e voluntária pelo Subprojeto Residência Pedagógica (CAPES). Tem realizado pesquisas voltadas para a análise de Livros Didáticos com ênfase na temática Corpo Humano e o Ensino de Ciências.

Cleusa Inês Ziesmann, Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS

Doutora em Educação (PUCRS). Mestre em Educação nas Ciências (Unijui). Especialista em Interpretação, Tradução e Docência de Língua Brasileira de Sinais (Uníntese). Especialista em Psicopedagogia Institucional pela Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas (FACISA). Especialista em Educação Especial Inclusiva (UNIASSELVI). Graduada em Pedagogia / Orientação e Supervisão Escolar pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Unijuí). É professora na Universidade Federal da Fronteira Sul /campus Cerro Largo/RS. Líder do grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Especial/Inclusiva - GEPEI e membro do grupo de Estudos e Pesquisas GEPETEC da UFFS de Cerro Largo/RS. Atua na área de Educação, com ênfase em Educação Especial/Inclusiva, Língua Brasileira de Sinais, Atendimento Educacional Especializado e Formação de Professores

Referências

ALMEIDA, P. C. A.; BIAJONE, J. Saberes docentes e formação inicial de professores: implicações e desafios para as propostas de formação. Educação e Pesquisa. São Paulo, v. 33, n. 2, maio/ago. 2007, p. 281-295. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ep/v33n2/a07v33n2.pdf. Acesso em: 07 abr. 2020.

BARROS, V. C.; SANTOS, I. M. Além dos muros da escola: a educação não formal como espaço de atuação da prática do pedagogo. [S.l.: s.n.], 2010.

BEYER, H. O. Educação inclusiva ou integração escolar? Implicações pedagógicas dos conceitos como rupturas paradigmáticas. Ensaios Pedagógicos. Brasília: Ministério da Educação e Cultura/MEC/SEESP, 2006.

BRASIL. Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 6 fev. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, DF, 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeduc especial. pdf. Acesso em: 12 fev. 2021.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm. Acesso: 12 jan. 2021.

CARVALHO, M. F. Conhecimento e vida na escola: convivendo com as diferenças. Campinas, SP: Autores Associados, 2006.

ERICKSON, F. Qualitative methods in research on teaching. Michigan: The Institute for Research on Teaching, 1985.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UECE, 2002.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

FREIRE, P. A educação na cidade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1991.

FREITAS, S. L.; PACÍFICO, J. M. Formação docente e os saberes necessários à prática pedagógica. Revista EDUCA. Porto Velho, RO, v. 2, n. 4, 2015, p. 1-17. Disponível em: https://www.periodicos.unir.br/index.php/EDUCA/article/view/1620. Acesso em: 6 fev. 2021.

GAUTHIER, C. Por uma teoria da Pedagogia: pesquisas contemporâneas sobre o saber docente. Ijuí, RS: Unijuí, 1998.

GONÇALVES, T. G. G. L. Escolarização de alunos com deficiência na educação de jovens e adultos: uma análise dos indicadores educacionais brasileiros. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Londrina. Londrina, PR, 2012.

IMBERNÓN, F. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. 9. ed. São Paulo: Cortez, v. 14, 2011.

LOPES, A. C. Políticas de currículo: competencias y asignaturas. In: IX Congreso Nacional de Investigación Educativa. Anais... México: COMIE, 2009, p. 87-104.

MANTOAN, M. T. E. Inclusão escolar: O que é? Por quê? Como fazer? São Paulo: Moderna, 1999.

MATOS, G. A.; GROSCH, M. S.; DRESCH, J. F. Formação continuada de professores: perspectivas e contradições epistemológicas recorrentes na elaboração de documentos oficiais da educação. Revista Pedagógica. Chapecó, SC, v. 22, 2020, p. 1-19. Disponível em: https://bell.unochapeco.edu.br/revistas/index.php/pedagogica/article/view/4746. Acesso em: 6 fev. 2021

NÓVOA, A. (Org.). Vidas de professores. Porto, Portugal: Porto, 1992.

OLIVEIRA, E. S. G.; CUNHA, V. L. O Estágio Supervisionado na formação continuada docente a distância: desafios a vencer e construção de novas subjetividades. RED – Revista de Educación a Distancia. Ano V, n. 14, 31 mar. 2006. Disponível em: www.um.es/ead/red/14/ oliveira.pdf. Acesso em: 03 nov. 2020.

PADILHA, A. M. L. Práticas educativas: perspectivas que se abrem para a educação especial. Educação & Sociedade, v. 71, 2000, p. 197-22. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/es/v21n71/a09v2171.pdf. Acesso em: 8 fev. 2021

PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e docência. São Paulo: Cortez, 2011.

PIMENTEL, S. C. Possibilidades na formação de conceitos por crianças com Síndrome de Down na escola comum. Revista Pedagógica, v. 23, 2021, p. 1-16. Disponível em: https://bell.unochapeco.edu.br/revistas/index.php/pedagogica/article/view/5839 . Acesso em: 8 fev. 2021

PLETSCH, M. D.; BRAUN, P. A inclusão de pessoas com deficiência mental: um processo em construção. Democratizar. Rio de Janeiro, maio/ago. 2008, v. 2, n° 2, p. 1-12.

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. (Orgs.). Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo, RS: Universidade Feevale, 2013.

RONQUI, L.; SOUZA, M. R.; FREITAS, F. J. C. A importância das atividades práticas na área de biologia. Revista Científica da Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal – FACIMED. Cacoal, RO, 2009. Disponível em: http://www.facimed.edu.br/site/revista/pdfs/8ffe7dd07b3dd05b4628519d0e554f12.pdf. Acesso em: 06 nov. 2020.

SANT’ANNA, S. M. L.; STRAMARE, O. A.; NARVAZ, M. G. Como as estudantes de pedagogia percebem as práticas de estágio na educação de jovens e adultos? Revista Pedagógica. Chapecó, SC, v. 22, 2020, p. 1-17. Disponível em: https://bell.unochapeco.edu.br/revistas/index.php/pedagogica/article/view/4574

SASSAKI, R. K. Inclusão: construindo uma sociedade para todos. Rio de Janeiro: WVA, 1997.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

VYGOTSKY, L. S. Fundamentos de defectología. Obras Completas. Habana: Editorial Pueblo y Educación, t. 5, 1989.

VYGOTSKY, L. S. Obras escogidas: problemas teóricos y metodológicos de la psicología. 2. ed. Trad. José Maria Bravo. Madrid: Visor Dist., tomo I, 1997.

WERNECK, C. Ninguém mais vai ser bonzinho na sociedade inclusiva. Rio de Janeiro:

WVA, 1997.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Tradução de Daniel Grassi. São Paulo: Bookman, 2003.

ZIESMANN, C. I.; THOMAS, I. F. Processos formativos dos professores inclusivos: práticas pedagógicas dos docentes na educação básica. Revista Triângulo, v. 13, n. 3, set./dez. 2020. Disponível em: http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/revistatriangulo/issue/view/Setembro%20-%20Dezembro%202020/showToc. Acesso em: 6 fev. 2021.

Publicado

2021-05-03

Edição

Seção

Artigos Demanda Contínua